segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Não ao ‘apartheid’ político promovido pelo esquerdismo!

Elson de Melo
Manaus, 18-09-2017

A US - Unidade Socialista, campo popular do PSOL, está presente no Amazonas desde 2013, quando concorremos a direção do partido no 4º Congresso Estadual, elegendo este escrevente – Elson de Melo – presidente estadual do PSOL Amazonas.  

Depois do 4º Congresso Estadual do PSOL Amazonas, a US – Unidade Socialista, está sempre presente em todos os eventos e em especial, nas Plenárias Municipais do PSOL, nossa participação, não se limita ao simples fato de fiscalizar, mas para debater com os/as filiados/as do partido, o melhor caminho político que o PSOL precisa seguir para ser um partido popular, capaz de acolher o proletariado como principal força de transformação da sociedade e digno da confiança do povo.

Nesse sentido, estranhamos a ausência das cinco tendências (APS-NOVA ERA, MES, ROSA ZUMBI, ESQUERDA MARXISTA e LRP) que compõem o PSOL no Amazonas nas Plenárias municipais que estão sendo realizadas nnesse período que antecede o 6º Congresso Estadual e Nacional do partido, fórum legitimo para, apresentarem e debaterem suas teses junto a militância do PSOL, se limitam apenas a mandar fiscais para fiscalizar as Plenárias, configurando assim que, o único interesse dessas tendências é, disputar apenas o aparelho partidário, ou seja a direção do partido. O mais estranho ainda, é, que, quando estiveram na direção, alegavam sempre que, não tinham tempo e dinheiro para visitar os diretórios do interior do Amazonas, agora, de uma hora para outra, apareceu recurso e tempo abundante para fiscalizarem as Plenárias, nada contra, pelo contrário, damos as boas-vindas, agora eles já podem dizer que “conhecem um pouco o Amazonas”, suas águas e correntezas.

Mas, a questão principal não é esse fato, a fiscalização é um fator natural nos Congressos do partido, o que nos deixa inquietos, é o fato, de tratarem a maioria dos/as filiados/as do PSOL com prepotência, indiferença, segregação e preconceito, na concepção deles, eles são soberanos intelectualmente e os únicos militantes perfeitos. Essas tendências que se opõem internamente a US - Unidade Socialista, promovem um verdadeiro 'apartheid' político quando se colocam como filiados de primeira categoria e segregam os/as filiados/as que não são ligados a elas, como filiados/as de categorias inferiores – uma atitude preconceituosa sem precedentes na história politica da esquerda socialista.

A US – Unidade Socialista, desde a sua criação, vem dedicando todo esforço, na organização do PSOL em todo território brasileiro e no caso específico, no território amazonense, de modo especial, destacamos a forte presença da atual presidente do partido no Amazonas, camarada Pedrinha Lasmar, em todos os eventos do partido, sejam eles no interior, como na capital, a camarada Pedrinha, reserva sempre um espaço na sua agenda de sindicalista, para dedicar uma atenção especial a construção do PSOL.

Como já afirmamos em outra oportunidade, organizar um partido socialista na Amazônia, é um desafio para além dos períodos congressuais –  é uma tarefa permanente de toda militância do PSOL! A militância da US – Unidade Socialista, têm consciência e sensibilidade suficiente para enfrentar esse desafio, buscando sempre promover a unidade do partido e respeitar as diferenças.

Por um PSOL à altura dos desafios.
Não ao ‘apartheid’ político promovido pelo esquerdismo!

Elson de Melo é secretário de comunicação do PSOL Manaus

Nenhum comentário:

Postar um comentário