quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Por um novo PSOL para Manaus

Elson de Melo
Manaus, 17 de agosto de 2017
Dai-nos uma organização de revolucionários e nós revolucionaremos a Rússia
 Vladimir Ilitch Ulianov – Lênin

 1. Lênin quando proferiu a frase acima, ele ainda não conhecia o marxismo, mas o interesse dele por essa teoria revolucionária foi tão expressivo que depois de conhece-la, ele foi capaz de organizar um partido político revolucionário e fazer a revolução socialista na Rússia em 1917 do século XX, esse fato, tornou-se referências para todos os socialistas do mundo.

2. Nós socialistas revolucionários, neste ano de 2017, estamos celebrando o centésimo aniversário da Revolução Russa. Todas as tendências internas do PSOL reivindicam o socialismo, portanto, o referencial histórico principal, é a grande revolução proletária do mundo, construída e realizada pelo partido criado por Lênin na Rússia. O PSOL é fruto dessa construção, e nós que acreditamos nas transformações, somos os precussores da agitação popular e da organização das classes subalternas.

3.    Mas, o que isso tem a ver com o 6º Congresso Municipal do PSOL Manaus?

4. É evidente que a intenção inicial desta reflexão, é desmistificar a palavra “revolução” trazendo para o debate, a sua real força política como processo de transformação social, econômica e política da realidade objetiva da cidade de Manaus, dentro das possibilidades percebidas que, no caso especifico do PSOL Manaus, ainda inexiste estudos aprofundados que oriente uma pratica mais consequente dos nossos filiados.

5.   Sem esses elementos de investigação científicos, a palavra “revolução” é apenas um palavrão, um dogma, uma subjetividade e até motivo de desconfiança dos que apenas ouvem, sem aprofundar o seu verdadeiro sentido. O 6º Congresso do PSOL, recebeu doze teses para serem debatidas pela militância, todas apontam uma realidade objetiva, porém, com diferentes percepções. Na lógica das interpretações da realidade, é claro que os encaminhamentos das ações e tarefas a serem mobilizadas, também são diferentes.

6.   São essas interpretações da realidade, que define a concepção de partido que cada tendência reivindica como a ideal para o PSOL. Sem entrar no mérito das concepções partidária defendida por cada tendência como forma instituída do PSOL, mas observando as suas análises da realidade, é possível constatar que o debate gira em torno de duas concepções revolucionarias, um bloco defende que o PSOL seja um partido socialista restrito a uma vanguarda iluminada de dirigente, com critérios rígidos de recepção de novos filiados, o outro bloco, defende que o PSOL seja um partido socialista popular e de massa, com forte ligação orgânica com a classe trabalhadora, respeitando os limites das suas organizações. Nós da US – Unidade Socialista, somos o bloco que defende um PSOL popular e de massa.
  
7.    Para contribuir com o debate revolucionário proposto por diversas tendências, nós da US – Unidade Socialista Amazonas, entendemos que é possível o PSOL em Manaus, ser um partido protagonista das transformações que a população do Município tanto necessita. Para tanto, precisamos construir um novo PSOL em Manaus a partir do 6º Congresso Municipal.

8.    O novo PSOL deve ser um partido instituinte que promova a educação política, criativo, dinâmico, propositivo, orgânico, receptível, protagonista das lutas do povo e principalmente, um partido capaz de dialogar com a sociedade com linguagem acessível ao entendimento das nossas propostas. Queremos um partido aglutinador de tod@s @s lutadores sociais, que prese pela organização e mobilização da sua militância, que motive os movimentos sociais, que se oriente pela defesa das demandas do proletariado. Um partido verdadeiramente socialista revolucionário popular e das massas.       

9.  Manaus é a única cidade industrial da Região Norte, o polo industrial da Zona Franca de Manaus e o comercio são as principais atividades econômica do município, o seu PIB – Produto Interno Bruto é de R$ 64,1 bilhões referência o ano de 2013, renda per capita de R$ 32.300,00 ano base 2013, possui um território com Área de 11.401,092 km², sua população é de 2.094.391 habitantes (estimativa 2016 - IBGE), o IDHM – Índice de Desenvolvimento Humano Municipal é 0,737 - alto (PNUD - 2010).

10. Os dados acima, mostram uma cidade com uma economia robusta, porém, com uma enorme desigualdade social, embora a renda per capta seja de R$ 32.300,00, não representa a realidade percebida da maioria das pessoas que aqui habitam, uma vez que essa maioria da população, sobrevivem com renda fixa inferior ao salário mínimo. Manaus ainda possui um analfabetismo que atinge mais de 6% da população, na cidade ainda morrem 14,2 crianças, por cada 1000 crianças nascida vivas, antes de completar um ano.

11. Manaus é composta por uma população majoritariamente de migrantes, são retirantes dos Estados vizinhos do Norte, do Nordeste e do interior do Amazonas, essa complexa mistura populacional, dificulta a formação da verdadeira identidade dos habitantes da cidade, talvez por isso, os operários, ainda não se reconheçam enquanto força política transformadora, são trabalhadores que diariamente são submetidos ao rigoroso controle industrial, mas não se consideram operários, falta-lhes uma identidade de classe.

12.  O PSOL Manaus, precisa aprofundar esses estudos cientificamente, identificar a verdadeira fisiologia e ecologia da cidade e suas complicações, bem como, a sua formação populacional, as origens, identidade, cultura e perspectivas dos seus habitantes. Na política, não existe espaço para o empirismo, precisamos de trabalhos sérios de comprovada investigação cientifica para que o partido venha definir com precisão as suas intervenções para transformar essa realidade. Portanto, é preciso não banalizar a palavra “revolução”, precisamos, sim, dar o devido sentido a esse processo de transformação social.

13. A US – Unidade Socialista, não medirá esforços para viabilizar esse processo de transformação, para tanto, precisamos definir no 6° Congresso Municipal do PSOL Manaus, uma direção aberta a desafios, uma direção que tenha coragem de ousar, de construir mecanismos de organização partidária, capaz de impulsionar e intensificar as tarefas de mobilização e organização das classes subalternas.

14. Uma direção dinâmica, com métodos de ação claros, comprometida em viabilizar as políticas definidas nos órgãos de deliberação do partido, cumprindo fielmente as resoluções dos Congressos, municipal, estadual e nacional. Uma direção que não confunda a disputa pela hegemonia dos aparelhos partidários, com a imposição das orientações particular da tendencia e que respeite as divergências sem se sobrepor as diretrizes do partido. Cada tendência tem o direito de divergir, porém, não lhes é dado o direito de denegrir a imagem do partido, da militância e das suas lideranças.

15. É tempo de construção e afirmação do PSOL. Nós da US – Unidade Socialista, chamamos todas as tendências, a priorizarem externamente as tarefas do partido - unidade na luta, sem prejuízo das tarefas estratégicas de cada tendência ou campo político interno. Nesse sentido, as atuações de toda militância do partido, deve estar voltada prioritariamente para a organização da resistência popular ao golpe promovido por Temer e sua curriola, inserindo-se nas atividades das suas entidades de classe, na militância comunitária, na organização das oposições sindicais, na organização dos núcleos de Base. O processo eleitoral é um outro fator que merece da direção municipal uma atenção especial, tanto na organização das candidaturas, como na elaboração de um plano de governo que reflita a esperança do nosso povo.

16. Voltando a Lênin, precisamos inovar na política, percorrer novos caminhos, combatendo o oportunismo, seja dos reformistas como do esquerdismo, sem com isso, inviabilizar o projeto político do partido. Para isso, precisamos radicalizar na organização, trabalhar com respeito e a paciência necessária a nova militância, oferecendo a ela, um plano de atuação pratica, que seja possível de estimular novas lideranças que reafirme o programa do partido no seio das organizações econômicas e sociais do nosso povo.

17. Como Lênin, entendemos que a educação política é o passo fundamental para a formação de uma militância consequente e comprometida com as transformações que o partido propõem - “Sem teoria revolucionária, não há prática revolucionária.”. Mesmo com os tempos difíceis da conjuntura nacional, o PSOL é o partido com uma grande aceitação popular, no entanto, não podemos nos acomodar com essa feliz constatação, pelo contrário, precisamos empoderar o partido, mantendo firme a nossa autonomia e conquistar o entusiasmo da sociedade.

18. Queremos um novo PSOL para Manaus, para que o partido seja em breve o maior referencial positivo das classes subalternas, que seguem órfãos de um partido verdadeiramente transformador. Com esses propósitos, saudamos toda militância do PSOL presentes ao 6º Congresso do partido em Manaus.

Saudações Socialista!
Viva a Revolução Proletária!
Salve o novo PSOL em Manaus!

Elson de Melo, é militante do PSOL



Nenhum comentário:

Postar um comentário