quinta-feira, 23 de abril de 2015

Terceirização: a ilusão do sindicalismo de resultado

Trabalhadores do Brasil Organizai-vos e Uni-vos!

Por Elson de Melo – Mais do que nunca se faz necessário que os trabalhadores brasileiros assumam a conclamação de LUTA do grande Karl Marx proclamado em 1848 “Trabalhadores de mundo uni-vos”! A consumação da terceirização como regra absoluta de emprego nas empresas no Brasil é o reflexo da ausência de uma corrente transformadora no atual sindicalismo brasileiro, é a mais vergonhosa barganha dos empresários contra os trabalhadores tendo como aliados o sindicalismo de resultado representado pela Força Sindical!

A luta dos trabalhadores historicamente vem sendo divido entre o sindicalismo de resultado e o sindicalismo de transformação social. Desde o inicio da industrialização no Brasil, os trabalhadores brasileiros vem convivendo com essas duas correntes que fora interrompida com a chegada do PT ao governo e a posse de Lula em 2003. Nos doze anos do governo petista, as principais Centrais Sindicais (CUT, FORÇA SINDICAL, CTB, CGTB, NCST, UGT, CSB...) abdicaram da LUTA DE CLASSE e passaram a ser uma instância governamental usada para iludir os trabalhadores.

Essa postura burocrática do sindicalismo brasileiro, só tem contribuído para a precarização dos salários, empregos, trabalho e desmobilização dos Trabalhadores. Sem um sindicalismo combativo e de LUTA da Classe Trabalhadora brasileira, vai sofrer mais derrotas como as impostas por Dilma através das Medidas Provisórias 664, 665 e agora no parlamento com aprovação do projeto de Lei da terceirização - PL 4330.

Para que os trabalhadores voltem a oferecer resistência ao capital e conseguir reconquistar direitos, melhores salários e condições de trabalho faz-se urgente combater o peleguismo no sindicalismo brasileiro, os Trabalhadores precisam mais do que nunca reconquistar as direções dos seus Sindicatos e retomar a LUTA por liberdade e autonomia sindical! Por uma Central de Trabalhadores Combativa... TRABALHADORES DO BRASIL UNI-VOS!


– Elson de Melo é Presidente Estadual do PSOL Amazonas

quinta-feira, 16 de abril de 2015

A tercerização como controle da força de trabalho

"Não sois máquina! Homens é que sois!"
 - Charles Chaplin

Por: Elson de Melo – A reestruturação produtiva promovida pelo capital tem sempre um único objetivo; MAIS LUCRO!

Para conseguir mais lucro o empregador precisa exercer o controle absoluto sobre seus empregados, para tanto é necessário uma legislação trabalhista flexível, Legislação sindical autoritária que controle os Sindicatos e eterniza seus dirigentes, dirigentes sindicais coniventes, trabalhadores divididos e sociedade dependente.

Surgido na década de 70, a terceirização faz parte da estratégia do capital para obter mais lucro e instaurar om processo de controle mais eficaz sobre os trabalhadores, para tanto, novas formas de gestão de pessoas foram desenvolvidas tendo como base o toytismo.

No Brasil esse sistema de gestão (toytismo) se aprofunda a partir da década de 80, aqui reporto um triste episódio ocorrido no Parque Industrial de Manaus(AM) nos anos 80 quando uma onda de mão-de-obra temporária tomou conta das linhas de produção das fabricas da Zona Franca de Manaus, naquela época a empresa Homines deu o ‘cano’ na maioria dos trabalhadores e não pagou o salario, nós tínhamos acabado de assumir a direção do Sindicato dos Metalúrgicos, desde então, desenvolvemos uma campanha contra esse tipo de contrato de trabalho e conseguimos colocar na Convenção Coletiva de Trabalho uma cláusula que proibia a contratação de mão-de-obra temporária.

A mão-de-obra temporária é a mais cruel forma de precarização do emprego, o trabalhador assina um contrato por tempo determinado de três meses, podendo ser prorrogado por mais três e ao final, não recebe as verbas rescisórias (aviso prévio, multa rescisória...) como previsto aos trabalhadores contratados por prazo indeterminado.

Segundo relatos de trabalhadores do PIM, o Sindicato dos Metalúrgicos de Manaus, é hoje o principal incentivador desse tipo de contrato, se isso for verdade, o que dizer? Seja qual for a forma de contrato de trabalho, o trabalhador só terá melhores condições de trabalho e salários, se conseguirem colocar nos seus Sindicatos, direções com disposição de luta e compromisso de classe. Trabalhadores do mundo, uni-vos!

Elson de Melo é Presidente Estadual do PSOL Amazonas