terça-feira, 19 de julho de 2011

A Esquerda Socialista no Amazonas

"Sem teoria revolucionária também não pode haver movimento revolucionário."
V. I. Lénini

Elson de Melo

Os três últimos séculos passados foram os mais ricos em ideias para combater as injustiças no mundo. No principio os anarcoscomunistas comandaram as ações de subversão a ordem instituída, nesse período, eles optavam por medidas estremas onde a trincheira da luta era a greve e até a sabotagem. Com o lançamento do Manifesto Comunista em 1822, Marx e Engles lançam as bases do socialismo cientifico, que mais tarde Lénini efetiva na prática com a revolução Russa.

Para a burguesia capitalista, a efetivação das ideias socialistas na União Soviética serve como advertência a sua perpetuação como sistema hegemônico de acumulação de riqueza nas mãos de um punhado de privilegiados, logo se apressaram em intensificar o combate a essa nova ordem social com medidas mais radicais, tanto do ponto de vista ideológico, como, econômico e politico. Para tanto, aperfeiçoaram a democracia representativa (Parlamento), regulamentaram a remuneração da mão de obra e fortaleceram o Estado Burguês dando maior importância ao executivo e ao judiciário. Isto é, consagraram ao Estado o poder supremo de decidir sobre o que pode e o que não pode ser feito pelo homem, ou seja, transformaram todos os seres humanos em escravos de um único senhor!

A guerra fria foi a expressão mais contundente dessa politica, transformaram as ideias socialistas em coisa do demônio, para isso, contaram com o esforço decisivo das igrejas de todos os matizes. Foi uma verdadeira cruzada que culminou com o fim da União Soviética como símbolo de uma nova civilização no final do século passado, não é atoa que o capital fez uma das maiores mídias para comemorar o aniversário da queda do Muro de Berlim no ano passado.

O simbolismo da queda do Muro de Berlim, não significa só a vitória do capital sobre o sonho de igualdade entre os homens, é muito mais profundo, significa o ceticismo dos próprios homens que se reivindicam socialistas em dar continuidade a esse exuberante projeto de sociedade justa e feliz.

Hoje o socialismo como ideia transformadora, não consegue se firmar sequer como proposta de governo, muito menos como projeto estratégico de civilização. Tornou-se um dogma, onde cada socialista tem em sua mente o modelo ideal de revolução, porém, são incapazes de compartilhar com as classes revolucionárias suas estratégia de construção dessa luta, convivemos hoje com socialistas tão individualistas como são os capitalistas. Chego a pensar que na pratica, esses socialistas preferem o capitalismo como modelo de afirmação pessoal!

Na verdade o que falta aos novos socialistas é a condição primordial para uma boa pratica transformador. O conhecimento. Eis o maior desafio dos Partidos Políticos ditos socialistas, a historia nos revela que a Revolução Russa só foi possível com o surgimento do socialismo cientifico, portanto, quem quiser dar continuidade a esse projeto, tem a obrigação de conhecê-lo em todas as suas minucias, como afirma Lénini “sem teoria revolucionaria não existe pratica revolucionaria”.

No Amazonas vivemos a particularidade de contarmos com três partidos que reivindicam o socialismo como projeto estratégico de civilização, no entanto, o dogmatismo tem transformado esses partidos em conluio familiar e objeto de negociações em épocas de eleições, só pra registrar: “os boatos dão conta que seus candidatos recebem vantagens inclusive financeiras de candidaturas dos Partidos Burgueses, para nos debates e programas no horário eleitoral, desferirem ataques a outras candidaturas que incomodavam o candidato que os pagaram”. Talvez seja esse o motivo para que as direções desses Partidos sejam manipuladas por grupos familiares ou de amigos (cumplices) dessa pratica.

Particularmente, prefiro acreditar na ausência de conhecimento cientifico do verdadeiro significado do projeto socialista, que infelizmente a teoria pós-moderna, impõem aos nossos contemporâneos a “negativa da narrativa da história”, porém, seja um ou outro o motivo, ambos são preponderantes para manter a inercia dessas agremiações partidárias aqui no Amazonas.

Se observarmos a historia politica do nosso Estado, vamos constatar que a esquerda socialista nunca conseguiu se firmar como projeto de poder local, suas praticas tem se limitado a poucos momentos a frente de algumas Entidades Sindicais. Dos Estados do Norte, é no Amazonas que se identifica a maior inercia dos Partidos Socialistas, ainda que aqui, esteja um dos maiores parques industrial do país onde laboram mais de 100 mil operários (as). Eis mais um desafio para os militantes socialistas do Amazonas.

Elson de Melo é Sindicalista

Nenhum comentário:

Postar um comentário