quinta-feira, 29 de julho de 2010

OS RATOS VÃO INVADIR A CIDADE

Por: Jevaldo da Silva (*)

Refiro-me a maioria dos políticos que, assim como a copa do mundo, aparecem de quatro em quatro anos. Eles vão pedir o teu voto na maior cara-de-pau, te abraçar, apertar a tua mão, dar aquele famoso tapinha no ombro, segurar sua criança no colo e fazer falsas promessas. Mas não se iluda que esse ritual já é conhecido. No entanto, quando passar as eleições volta o sofrimento e somos esquecidos por parte destes traidores do povo.

Nestas eleições temos que ficar atentos e valorizar o nosso voto, ou seja, não eleger qualquer um, sobretudo aqueles que já estão no poder há muito tempo e não fazem nada. É preciso eleger novos representantes (ficha limpa). Quando me referi à maioria, foi justamente pra dizer que nem todos são canalhas e corruptos, pois existe gente boa na política amazonense.

Muitos de nós já sabemos quem presta e quem não presta neste jogo, porém acaba que a maioria da população sempre escolhe os mesmos e não dá oportunidade para aqueles que estão dispostos a defender os nossos interesses e melhorar a nossa vida. Costumamos dizer que todos são da mesma “laia” e acabamos escolhendo errado, depois, todos nós pagamos caro pelo voto incorreto. Nosso sofrimento, no dia a dia, deve ser suficiente para pensarmos bem em quem vamos votar nesta eleição. É só olharmos os problemas existentes em nossa volta: ruas esburacadas, transporte público precário, saúde pública falida, insegurança, desemprego, corrupção, pobreza, entre outras safadezas. Eles são os responsáveis por tudo isso.

Somos massacrados diariamente, mas nesta eleição temos a oportunidade de dar a nossa resposta. Com o nosso voto que é uma “bomba”, vamos detonar os políticos ladrões. Eles podem roubar os cofres públicos, mas não roubarão nosso voto, nossa dignidade, nossa honestidade, nossa consciência e nossa capacidade de dizer que chega de políticos bandidos, queremos mudanças em todos os cargos públicos. Vote certo, vote diferente.

(*) Jevaldo da Silva é Militante do PSOL e professor da Rede Municipal de Educação e da Rede Salesiana de Escolas.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

25 ANOS DA MAIOR ASSEMBLÉIA OPERÁRIA NO AMAZONAS

Por: Elson de Melo

No próximo dia 31 de julho de 2010, os Operários metalúrgicos do Distrito Industrial de Manaus, podem celebrar os vinte e cinco anos da maior e mais importante Assembléia de sua história. O local foi o campo do Oratório nos fundos da Igreja de São José Operário na Rua Visconde de Porto Alegre Centro de Manaus, onde hoje são celebradas as Missas todo dia 19 de cada mês em homenagem ao Santo Padroeiro dos Trabalhadores. Foi a primeira grande Campanha Salarial organizada por jovens trabalhadores que assumiram a Direção do Sindicato dos Metalúrgicos em fevereiro de 1983. Depois de conseguir a reunificação da categoria que tinha sido dividida pelo então Gerente da Philips Stones Machado, hoje empresário e dirigente do PDT do Amazonas. Foi nessa Assembléia que foi aprovada a deflagração da primeira Greve Geral dos Metalúrgicos de Manaus. O grande comandante desse momento histórico era Ricardo Morais, “O maior Líder Operário de todos os tempos no Amazonas”. Quando os trabalhadores gritavam em coro Greve!!! Greve!!! Greve!!!...Não tínhamos duvidas que naquele momento os trabalhadores davam um basta em tudo que erra de ruim que existia no Parque Industrial de Manaus e assumiam uma nova postura diante da intransigência patronal! Como um dos protagonistas desse momento histórico, quero compartilhar um relato completo desse fato, solicito dos outros companheiros e companheiras que viveram comigo aquele momento que, mande sua contribuição para uma matéria especial a ser publicada no dia 1º de agosto de 2010. O contato é: elsonpmelo50@gmail.com contribua para resgatar a nossa memória! Mande E-mail com seu relato.

Élson de Melo

Fone: (92) 8116 0094

terça-feira, 27 de julho de 2010

EVANDRO ACELERA PARA VITÓRIA

Candidato a uma vaga no Senado pelo PSOL. Evandro Carreira vai a partir do mês de agosto acelerar sua campanha em direção à vitória! Amazonologo, defensor incansável da Amazônia, Evandro assegura que sua candidatura tem grande aceitação em todas as camadas sociais do Estado do Amazonas. Reconhece que seus concorrentes estão gastando montanhas de dinheiro visando comprar as consciências e os votos dos Eleitores. Acostumado a superar as adversidades, o Senador aposta no segundo voto do Eleitor amazonense. Segundo ele, na hora do voto, o Eleitor vai escolher dois candidatos, sua vantagem está na ética e coerência política. Diferente dos seus opositores que em sua maioria estão envolvidos em desvio de recursos públicos e buscam o mandato para fazer negócios espúrios, em detrimento da população. Evandro lembra da sua eleição em 1974, quando na reta final ultrapassou seu adversário que era o grande favorito. Disposto a participar de todos os debates, Evandro anuncia que vai a justiça contra as emissoras que querem preterir sua presença nesses eventos. “O PSOL é um partido Nacional, com representação na Câmara Federal e no Senado, isso é fato, não projeção como as pesquisas eleitorais que as emissoras querem adotar como critério”. Afirma.

Link: http://senadorevandrocarreira.blogspot.com/

segunda-feira, 26 de julho de 2010

O BRASIL CELEBRA OS 80 ANOS DE PLÍNIO. FEIZ ANIVERSÁRIO PRESIDENTE

Hoje o Brasil celebra os 80 anos de Plínio de Arruda Sampaio, esse brasileiro que brinda os mais novos com sua juventude de pensamento. Candidato a Presidente da República pelo PSOL, sua história define bem o que é acreditar em transformação social. Diferente dos outros candidatos. Plínio define três eixos como prioridade de seu possível governo: Reforma Agrária, Saúde e Educação.

Esse jovem que completa hoje 26 de julho de 2010 80 Anos, Ligado à Igreja Católica, iniciou na política através da Juventude Universitária Católica, organização surgida a partir da Ação Católica Brasileira. Em 1959, foi subchefe da Casa Civil de Carvalho Pinto, Governador do Estado. Coordenou o Plano de Ação, um amplo programa de planejamento e de intervenção integrada de todas as esferas do Estado no desenvolvimento. Ainda nos anos 1950, entrou para o Partido Democrata Cristão (PDC), Eleito deputado federal em 1962, relator do plano de reforma agrária do governo João Goulart (1962-1964). Cassado pelo golpe militar de 1964, juntamente com Luiz Carlos Prestes, João Goulart, Leonel Brizola, Miguel Arraes, Darcy Ribeiro, Celso Furtado e outros. Exilado trabalhou na FAO (órgão da ONU que trata das questões relativas à agricultura e à alimentação), em Santiago do Chile e, a partir de 1970, nos Estados Unidos. Assessorou programas de reforma agrária em quase duas dezenas de países da América Latina e da África. Anistiado voltou ao Brasil em 1976 e tornou-se professor da Fundação Getulio Vargas, após ter concluído um mestrado em Economia Agrícola na Universidade Cornell. Participou ativamente das lutas contra ditadura militar. Ingressou no Movimento Democrático Brasileiro (MDB) de onde saiu para fundar o Partido dos Trabalhadores, em 1980, após as greves dos Metalúrgicos do ABC paulista, lideradas por Luís Inácio Lula da Silva. Eleito deputado constituinte, em 1986. Dirigente petista, membro da coordenação da campanha Lula à presidência em 1989, Plínio foi o principal formulador da política agrária do partido por muitos anos. Foi líder da agremiação na Câmara e candidato a governador pelo PT, em 1990. Tornou-se presidente da Associação Brasileira pela Reforma Agrária (ABRA) e um dos mais importantes colaboradores do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Membro da corrente majoritária do PT, a Articulação, após a eleição de Lula, em 2002, Plínio foi candidato à presidência da legenda em 2005. Em setembro daquele ano, juntamente com cerca de dois mil militantes de todo o país, ele deixa a legenda que ajudou a fundar e filia-se ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL). Em 2006, Plínio sai novamente candidato ao governo de São Paulo. Hoje quando completa 80 anos é o mais lúcido candidato a Presidência da Republica.

Plínio apresenta nessa campanha um novo projeto para o Brasil, voltado à erradicação dos latifúndios através da efetivação de uma Reforma Agrária que privilegie a soberania alimentar de todo a população do Brasil. Essa admirável trajetória desse comunista que acredita em Deus, é o principal instrumento de mobilização de sua campanha.

Parabéns Camarada Plínio. Presidente do BRASIL!

Vida Longa a PÍNIO!...

Feliz Aniversário!

sábado, 24 de julho de 2010

A LOGÍSTICA DA DESGRAÇA

Por: Élson de Melo (*)
Manaus, 24/07/2010


Na lógica da empresa Vale Mineradora, pouco importa a opinião dos comunitários e dos ribeirinhos do Lago do Aleixo, Catalão, Terra Nova e adjacências do Encontro das Águas em Manaus Amazonas. Junto com ela estão políticos, a Coca-Cola, Lobistas e até o preposto do Deputado Sinésio Campos no IPHAM do Amazonas. Para uma empresa desse porte que vive da degradação do meio ambiente, destruir a paisagem do Encontro das Águas é apenas uma questão de logística! É a desgraça rondando o majestoso cartão postal mais precioso, comentado e aplaudido da Amazônia.


Os lobistas são muito fortes, alimentados por políticos velhacos, traiçoeiros não medem esforços para ver destruído aquela linda e encantadora paisagem. Os cientistas Ecocapitalistas do Ctrl-C-Ctrl-V já abocanharam mais de meio milhão de reais para formatar os EIA/Rima, ou “EIA /Rivas” semelhantes, para dar legitimidade cientifica a uma desgraça sem precedente!... Para esses algozes do ecossistema Amazônico, não existe limite entre o cinismo e a razão, emitem pareceres científicos sem se importar com o que pensam as Comunidades afetadas. São inconseqüentes, rapineiros e despojados de qualquer responsabilidade com o nosso ecossistema. O Amazonas infelizmente, abriga em suas Academias Cientificas pessoas dessa índole!


Mas o que é um Lobista? O LOBISTA de uma empresa é um cidadão como o que sobrevoou o Encontro das Águas a convite do preposto do Deputado Sinésio no IFHAM do Amazonas junto com o Presidente Nacional desse conceituado Órgão. O papel dele é manter um escritório próximo ao governo para apresentar a sua empresa fazendo uma preleção sobre o que e quais as atividades da empresa. Geralmente já ocupou cargos relevantes no governo no caso especifico na SUFRAMA. Então quando há uma licitação ou necessidade de liberar pareceres e até doações de terras da União, em algum órgão do governo, esse lobista é chamado para facilitar as coisas para a empresa, quando isso acontece o lobista sai oferecendo benesses a quem é de direito, para que essa empresa seja atendida. Feito isso, o Lobista recebe dai uma comissão para os políticos envolvidos como forma de compensação. O Encontro das Águas é apenas mais uma vitima dessa rapinagem.


É verdade que na ótica do capital, o Amazonas precisa de logística para transportar sua produção. Mas que produção? Os desavisados vão acreditar que se trata da produção de TV, Celular, Dvd, Motos e outros que produzem no Distrito Industrial. Não é um tanto entranho a Vale Mineradora estar preocupada com essa logística? Dizem os antigos que, “quando a promessa é grande, até os santos desconfiam”, na verdade é desconfiável mesmo. Veja o que está acontecendo com os nossos visinhos do Pará, para exportar minérios essas empresas estão fraudando laudos para tentar licenciar um porto em Santarém. O principal objetivo da Vale Mineradora com esse porto é escoar futuramente a Bauxita das jazidas do Pitinga em Presidente Figueiredo, do qual ela é proprietária. É o capital saqueando mais uma vez nossa Amazônia! Qualquer semelhança com construção do porto da Vale Mineradora na boca do Lago do Aleixo e o de Santarém, não é não é mera coincidência!


Enquanto isso, os nossos governantes viram as costas para a logística que interessa ao nosso povo. O que dizer da logística que falta para atender a produção dos irmãos ribeirinhos, para o transporte seguro de Passageiros, para o abastecimento dos Municípios do Amazonas com alimentos e, combustível. Falta logística para levar assistência à saúde, educação e tudo que e necessário para boa qualidade de vida da nossa população. É a logística da miséria imperando em nossa Amazônia e isso é uma desgraça!


A campanha política já começou, não importa hoje a qual palanque pertença o candidato, o roteiro é o mesmo, todos obedecem a mesma pauta, exibem seus perfis, ressaltam seus feitos, fazem promessas (plano de governo) é uma fidelidade inconteste ao marketing político. Não existe nenhuma tentativa de pelo menos mudar esses parâmetros. Da direita a esquerda a retórica é a mesma, são frases feitas, chavões dogmáticos e nada que se possa identificar como ação transformadora dessa realidade desgraçada que tutela as mentes e corações dos novos servos.


Os novos defensores do capitalismo e da boquinha nas diversas esferas de governo vão continuar fazendo seu papel de alienadores da população, mas, não podemos concordar com os camaradas da esquerda socialista em alimentarem tamanha subserviência à ordem estabelecida. Parece que não vamos ver nessa eleição temas como a Logística da Desgraça, serem abordados pelos nossos políticos. Nós do Movimento SOS Encontro das Águas, estamos aguardando seu posicionamento Senhores Candidatos! O Encontro das Águas não tem preço. Tem Valor!


(*) Élson de Melo é Sindicalista

quarta-feira, 21 de julho de 2010

EVANDRO CARREIRO DO PSOL: O MELHOR NOME PARA O SENADO



Amazônia está mais uma vez sobre a mira dos capitalistas! Em sua passagem pelo Senado na década de 80. O Senador Evandro Carreira conseguiu incluir no vocabulário político nacional e mundial a Ecologia e a nossa Amazônia como uma Região a ser preservada. Sua atuação em defesa do ecossistema da Região, abriu caminhos para que o mundo passasse a ver o meio ambiente como temática relevante para a vida na terra.


O Brasil está precisando de um Senador do porte de Evandro Carreira, de modo especial a Amazônia reclama a voz forte e dos conhecimentos desse grande defensor da vida nessa bela hiléia.


Advogado Evandro Carreira, nasceu em 24/8/1927 é natura Alvarães município do Estado do Amazonas. Filho de Tocandira Balbi Carreira e Ignácia das Neves Carreira. Foi vereador em Manaus, eleito em 1959 e reeleito em 1963 e Senador da República em 1974, tendo exercido o mandato por 8 anos. Amazonólogo, Expositor e Conferencista sobre a TEMÁTICA AMAZÔNICA em Seminários, Ciclos de Debates, Conferências e Simpósios em Universidades, Diretórios Estudantis e outros organismos, tendo proferido palestras na ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA DOS E.U.A., National Defense University e National War College - Forte Mc Mer, Washington, D.C., em 1981. A sua Principal obra: “RECADO AMAZÔNICO”, em 10 volumes, publicados pelo SENADO FEDERAL, onde está inserta sua atividade como Senador da República pelo Amazonas e a genial afirmação que se constituiu um verdadeiro axioma: “A VOCAÇÃO HIDROHELIO-FITOZOOLÓGICA DA AMAZÔNIA”, valendo todos os corolários que decorrem deste axioma, como soem ser as vocações VARZEANA, ICTIOLÓGICA, RIBEIRINHA, HIDROVIÁRIA, EXTRATIVISTA, FOTOSSINTÉTICA E POMICULTORA.


Com uma visão contemporâne sobre a relação de trabalho na Amazonia. Evandro é defensor do Ecossocialismo como forma de elevar a qualidade de vida dos povos que vivem na Amazônia. Os Amazonenses precisam refletir sobre a escolha de um Senador que realmente seja comprometido com a nossa população. O brasil pre3cisa de Senadores que exerçam seus mandatos em prol da coletividade como: Evandro do Amazonas e Heloísa Helena de Alagoas.


Elson de Melo - Sindicalista
E-mail: elsonpmelo50@gmail

sábado, 17 de julho de 2010

5ª ROMARIA DA FLORESTA

Povo de fé nos céus e de pé nos chãos

(foto da 4ª Romaria, fonte: blog do Comitê Dorothy)

Após cinco anos do assassinato de irmã Dorothy Stang (12/02/05), o povo continua sua luta. Vejam o convite para a 5ª Romaria da Floresta.

CONVITE PARA A 5ª ROMARIA DA FORESTA


“Se quiser a Paz, faça a Justiça.”
Nos 22 a 25 de julho de 2010, em Anapu/PA, haverá a 5ª Romaria da Floresta. Os romeiros e as romeiras caminharão do túmulo da Irmã Dorothy, no Centro São Rafael até a Cruz marcando o lugar onde Irmã Dorothy foi assassinada no Projeto de Desenvolvimento Sustentável Esperança (PDS) no 12 de fevereiro de 2005.
Esta caminhada é de fé, de resistência, de celebração e esperança. Temos fé de que Deus está conosco, o povo organizado em defesa da vida, a vida do povo e da floresta. As forças de ganância que devoriam a floresta para gerar lucro são grandes e fortes. Caminhamos para declarar e mostrar que não estamos nos entregando a estas forças, mas sim, as resistindo.
Dorothy as resistiu, até as últimas conseqüências, e nós ficamos. Assumimos esta luta também e caminhamos juntas e juntos. Queremos a terra e condições e segurança para trabalhar nela em harmonia com a floresta.
Junte-se a nós, caminhemos juntas. Venha. Seja um romeiro, uma romeira da Floresta. Traga sua mensagem. Sente a força do povo unido e organizado em defesa da vida. Fortaleça sua fé e coragem em memória da Irmã Dorothy e na confiança que esta luta pela vida continua e você pode fazer parte!
A concentração vai ser no Centro São Rafael, Anapu a partir de meio dia. Pode dormir no Centro no 21 de julho. A saída da romaria será às 15horas, no 23 de julho. Chegaremos no PDS à tarde no 24 de julho. No 25 de julho, celebramos a Santa Missa no local da Cruz onde Ir. Dorothy foi morta. Em seguida haverá almoço, e depois uma brincadeira/festa com o povo do PDS. Às 17 horas os transportes contratados trarão os romeiros e as romeiras de volta para Anapu.Traga prato, colher, copo, rede e cordas ou barraquinha, sapatos ou sandália confortável, chapéu ou boné. Prepare uma mensagem, canto, poesia, oração, cartaz, faixa, teatro para ser partilhado ao longo da caminhada.
Estamos esperando você!Um abraço,
A Comissão Organizativa


“Terra tem que ser para sempre, temos que pensarnaqueles e naquelas que vê deois de nós.”
Ir. Dorothy

CENTRAIS SINDICAIS SE UNEM POR MELHORES SALÁRIOS


No ano em que a economia brasileira deverá crescer mais de 7%, as centrais sindicais resolveram deixar as diferenças de lado para juntar forças na tentativa de arrancar aumentos reais de salários mais polpudos nas negociações salariais do segundo semestre. A estratégia prevê ainda uma maior mobilização na luta por direitos como a redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas, bandeira de quase 20 anos das centrais.


É na segunda metade do ano que se concentram as negociações das categorias mais organizadas do País, como metalúrgicos, petroleiros, bancários, eletricitários e químicos. As centrais querem unificar a campanha salarial dessas categorias.


As reivindicações de aumento real de salários dessas categorias variam de 5% a 11%, além da reposição das perdas com inflação. Em 2009, o aumento ficou, em média, 2% acima da inflação.
Sindicatos filiados a uma mesma central já fazem campanhas unificadas. A união das centrais, porém, é inédito na história do movimento sindical brasileiro.


A idéia inicial do movimento é buscar a unidade das centrais na campanha, porém sem unificar toda a pauta de reivindicações nem a data-base das categorias. No entanto, traria um índice de referência para as reivindicações de aumento real dos salários. Uma das idéias em discussão prevê que o índice seja equivalente ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), estimado em 7,3% este ano.


Além disso, a pauta das diversas categorias incluiria também alguns pontos considerados bandeiras do movimento sindical. Além da redução da jornada para 40 horas, os sindicalistas discutem, entre outras coisas, a inclusão de mecanismos semelhantes à Convenção 158 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que causa arrepios no mundo empresarial. Ela estabelece que nenhuma empresa não pode demitir sem apresentar justificativa.


A movimentação das centrais parece não assustar o empresariado. Pelo menos na ótica do diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Francini, que vê com "naturalidade" a mobilização dos trabalhadores. "Tem períodos em que a posição negocial dos empresários é muito mais forte, porque atrás dos trabalhadores está o fantasma do desemprego", observa o executivo. "De repente, como agora, os fantasminhas mudam de lado e vão para trás dos empresários."


Para Francini, o fato de a economia brasileira viver um bom momento, com crescimento previsto de mais de 7%, favorece a mobilização dos trabalhadores. "É natural, mas não quer dizer isso que deva ser concedido ou não deva ser concedido, apenas é um jogo de forças que sempre existe numa negociação."

Fonte: jornal O Estado de S. Paulo.

sábado, 10 de julho de 2010

'O PROJETO DESENVOLVIMENTISTA ESTÁ SENDO CONSTRUÍDO SOBRE OS CADÁVERES DOS INDÍGENAS', AFIRMA DOM ERWIN KRÄUTLER

Local: São Leopoldo - RS
Fonte: IHU - Instituto Humanitas Unisinos

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) divulgou na tarde dessa sexta-feira o Relatório de Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil. Os dados apresentados são referentes às violações de direitos praticadas contra os indígenas em 2009. Dentre as principais violências apontadas pela publicação estão: danos ao patrimônio, assassinatos, ameaças de morte e mortes por desassistência à saúde.

As informações são do sítio do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), 09-07-2010.

O objetivo do relatório é denunciar e chamar a atenção da opinião pública para a situação desumana em que vivem muitos indígenas no país. As 20 comunidades do povo Guarani Kaiowá, em Mato Grosso do Sul, que vivem acampadas à beira de rodovias, confirmam os dados apresentados pela publicação. Eles são ameaçados, torturados e atacados porque lutam pela garantia de seus direitos, como a posse da terra, dado que comprova o fato de que grande parte das violências estão relacionadas à conflitos fundiários.

Para dom Erwin Kräutler, presidente do Cimi e bispo da Prelazia do Xingu, o relatório deve chegar ás mãos dos agentes dos governos federal e estadual para que se coloque um basta na violência contra os indígenas. “O sangue derramado desse povo clama aos céus. O projeto desenvolvimentista do governo está sendo construído sobre os cadáveres dos indígenas. O que tem mais valor, as grandes obras ou a vida humana, a família?”, indaga Kräutler.

Lucia Helena Rangel, que é professora da PUC/SP e coordenou a pesquisa, destaca que o mais importante da publicação não é chegar a uma conclusão de que a violência contra os indígenas tem aumentado ou diminuído ao longo dos anos. “Embora possamos falar de um aumento de casos de violências contra esses povos nos últimos dez anos, isso não é o mais significativo, pois os números destacados no relatório não podem ser trabalhados estatisticamente”, afirmou a coordenadora.

Para Roberto Liebgott, vice-presidente do Cimi, o relatório vem mostrar "a omissão como opção política do governo federal em relação aos povos indígenas". Tal atitude implica em diferentes formas de violências, como a não demarcação de terras, falta de proteção das terras indígenas, descaso nas áreas de saúde e educação e a convivência com a execução de lideranças, ataques a acampamentos e outras agressões por agentes de segurança, ataques a indígenas em situação de isolamento, tortura por policiais federais, suicídios entre outras.

O relatório foi produzido com base nos relatos dos missionários do Cimi e nas informações divulgadas pela imprensa. A publicação está dividida em quatro capítulos: violência contra o patrimônio; violência contra a pessoa praticada por particulares ou por agentes do poder público; violências provocadas por omissão do poder público; e violência contra os povos indígenas isolados ou de pouco contato. O Cimi ainda apresenta este ano uma tabela com o nome das terras indígenas sem providências.

A publicação será enviada aos órgãos do poder público e entidades que trabalham em prol da garantia dos direitos humanos.

Nota da IHU On-Line:

D. Erwin Kräutler estará na Unisinos, no dia 05 de agosto, debatendo a Amazônia e a situação dos povos indígenas do Brasil. Veja a programação, clicando aqui.

domingo, 4 de julho de 2010

ELEIÇÃO 2010: NO AMAZONAS TUDO IGUAL!!!

Por: Élson de Melo (*)

Definido os candidatos ao governo, nada de diferente aconteceu! Há mais de meio século é assim, as oligarquias continuam a dar as cartas na sucessão Estadual. Enquanto a esquerda continua sua velha rotina de submissão raivosa e sem projeto. Seja qual forem às colorações dos palanques, está tudo como antes no quartel de Abrantes!

Se o capital consegue a nível nacional, sem nenhum trauma, confiscar um projeto que há mais de trinta anos surgiu como novo – PT&Lula. No Amazonas os partidos de esquerda não conseguem sequer se habilitar como destino futuro de um bom projeto. O PT desde a última participação do Professor Aloysio Nogueira como candidato majoritário, abandonou seu projeto de poder local, digo isso pelo fato de o último candidato ao Governo João Pedro em 2002, ser o principal articulador do chamado Partido da boquinha. Um triste fim para grandes companheiros que ainda continuam acreditando em milagres. Missão impossível para quem acredita em transformação.

É importante reconhecer que Partidos historicamente adesistas aos fragmentos do capital como: PSB, PC do B E PPS, vão aos poucos voando em céu de brigadeiros nas asas do governo Lula e fazendo o Projeto dos outros. Na verdade esses partidos só servem para coadjuvantes, jamais terrão projetos próprio, vão ser sempre partidos da conveniência e do fisiologismo de esquerda. Sua principal missão é coonestar com o capital e sofismar para os trabalhadores!

Dentro dos ditos partidos da esquerda socialista revolucionaria representado no Amazonas por: PCB, PSTU e PSOL, o roteiro não é muito diferente, entra ano sai ano eles não conseguem organização suficiente para pelo menos contestar as artimanhas das oligarquias locais enquanto partidos ideológicos ainda não se deram conta do seu papel junto ao proletariado, como Partidos Eleitorais comportam-se como “os coitado” dessa e das próximas eleições. Aguardam por milagres ou por algum capitalista bondoso para financiar suas campanhas. Isso chega a ser ridículo.

Nesse processo eleitoral os eleitores não vão poder fugir do bicho feio, seja no plano Nacional como Local, todos são obrigados a escolher o mesmo caminho, pois não existe sequer encruzilhada para confundir, somente Plínio acena como o caminho para a felicidade. Os dirigentes dos Partidos da Esquerda socialista, ainda não conseguiram fazer uma leitura correta da conjuntura, todos se impressionam com as pesquisas eleitorais feitas exatamente para confundir os eleitores. Na verdade pratica, são tão superficiais nas suas análises que preferem um discurso dogmático a ter que compor um projeto capaz de contrapor o discurso oficial do capital.

Não restam duvidas que no plano nacional o melhor nome e proposta é do Plínio de Arruda Sampaio do PSOL, um jovem de quase um século de vida, que consegue desenvolver um pensamento de futuro, acreditar que é possível organizar a política econômica do País em favor da maioria, um homem sensível as questões política de curto, médio e longo prazo, conhece como ninguém a composição social do Brasil, pena que grande maioria do PSOL não acreditem no seu potencial. Os que conseguirem ver essas qualidades do consagrado Promotor vão prosperar na política socialista.

Plínio não é só um candidato preparado, é uma pessoa como, ele mesmo diz que conhece na prática tanto a esquerda, como a direita, elegante como político, justo como pessoa, sincero como cidadão, democrático como gestor público. É um amante da liberdade. Elegeu a Reforma Agrária, a Saúde e Educação como prioridade do seu futuro governo, não são demandas novas, porém significativas para a qualidade de vida do nosso povo. A reforma agrária foi esquecida tanto pelos governos de FHC, como os do Lula, na verdade no governo do PSDB os MSTs foram mais incisivos em suas manifestações, isso forçou o governo a promover o assentamento de muitas famílias, já no governo Lula esses movimentos passaram os oitos anos visitando o Presidente, e o Lula enrolou a Reforma Agrária com gestos populistas de vestir a camisa e o colocar o chapéu do movimento em troca de nada fazer para agilizar a distribuição de terra para quem dela precisa.

A saúde é um caso de calamidade pública. O Ministro Temporão a frente do Ministério a serviço do PMDB de Sarney e Rennam, limitou-se a comandar apenas campanhas de vacinação, não há investimento em prevenção, a rede hospitalar está toda obsoleta, os profissionais sem a devida remuneração, a população espera meses por uma simples consulta. Plínio quer dinamizar tudo isso dando capacidade gestora a toda rede – SUS.

A Educação continua enlatada dentro do comprometimento estatal com os negócios do capital, a manipulação da educação como moeda eleitoral e combinação do recurso público investido na rede particular, vem mantendo uma política educacional voltado para formação de mão de obra barata, alienada e serviçal. São os intelectuais da produção capitalista que vão condicionando o mundo do trabalho a efetivar uma classe trabalhadora domesticada e imobilizada pela sua própria consciência, são os novos servos!

O vangloriar de Lula ao alardear esse modelo, denuncia sua total submissão aos donos do capital, aliado a isso está às investidas fulminantes contra o território amazônico com a construção de Hidrelétricas, alienação das florestas para tal de manejo sustentável, condiciona Lula e Marina, os dois Silvas, como verdadeiros agentes do capital transnacional, colonizador, predador e saqueador da Amazônia.

Dessa forma, se a nível nacional podemos destacar o candidato Plínio do PSOL, como positivo, aqui no Amazonas não tem o que destacar. Os Candidatos Navarro PCB, Herbert PSTU e Sena PSOL, não expressam o sentimento de transformação que os militantes da esquerda socialista estão dispostos a construir e por ele lutar, são candidaturas postas para cumprir tabela, serão vistos como figuras folclóricas e nunca como alternativa real de poder local. Na verdade a esquerda socialista no Amazonas está precisando de Lideranças comprometidas com as transformações que o Estado precisa.

Embora as constatações expressas nesse rascunho sejam desestimuladoras, não é motivo para desistirmos dos objetivos estratégicos dos Trabalhadores, de modo particular, acredito que os bravos camaradas da Esquerda Socialista no Amazonas, em breve, sejam capazes de refletir além da sede de seus partidos, ou do dogmatismo de suas correntes e com isso percebam que os trabalhadores amazonenses estão ansiosos para abraçar um projeto real que seja capaz de anular essa oligarquia que há séculos envergonha nossa política, promove a rapinagem no caixa do Estado e humilha nosso povo. De pé, ó vitimas da fome! Nossa luta não pode parar.

(*) Élson de Melo é Sindicalista