quinta-feira, 3 de junho de 2010

Pouca Vergonha!

Mônica Bergamo:

"Olha aqui o delegado que queria me prender!", exclamou José Dirceu ao ser abordado pelo delegado Protógenes Queiroz no jantar de aniversário do ministro Orlando Silva, do Esporte, anteontem, em SP. Os dois gargalharam, apertaram as mãos e se juntaram num abraço aparentemente fraterno.

Candidato a deputado federal pelo PC do B, o policial circulava na festa tentando se aproximar dos que outrora investigou na Operação Satiagraha, em 2008, cujo alvo principal era o banqueiro Daniel Dantas. A conversa com Dirceu (que teve sua mulher, Evanise, grampeada na devassa comandada por Protógenes) não durou muito tempo.

"Me comportei bem?", perguntou o petista depois que o delegado se afastou. Para espanto de muitos, entre uma garfada e outra de penne com tomate, disse: "Eu vou ajudar a elegê-lo".

O "perdão" para valer, no entanto, virá depois, "no dia em que ele [Protógenes] me contar tudo o que aconteceu". Dirceu diz acreditar que foi investigado de forma ilegal e muito mais abrangente do que a divulgada oficialmente.

Fábio Luís, o Lulinha, filho de Lula, que na época da Satiagraha surgiu no noticiário porque empresas de Dantas teriam tentado se aproximar dele, também conversou com o delegado federal na festa. "Foi um diálogo maravilhoso, emocionante mesmo", diz Protógenes Queiroz, que sempre negou ter investigado a família do presidente da República. "Fizeram muita fofoca." Na verdade, afirma, "o presidente estava sendo chantageado".

"Ele [Fábio] me disse que o pai dele [Lula] me respeita muito e que a família me admira por tudo o que eu já fiz pelo Brasil. O filho do presidente é um perseguido, como eu. Responde a um processo [na Justiça]. Eu respondo a 15!". Protógenes diz que deu seu telefone e e-mail para Fábio Luís, "para ajudá-lo no que for preciso".

Nenhum comentário:

Postar um comentário