domingo, 16 de maio de 2010

A CRISE CLIMÁTICA AFETA MAIS AS MULHERES


A CRISE CLIMÁTICA AFETA MAIS AS MULHERES
Publicada em 27.04.2010
Fonte: Harold Santos/REMTE /Minga informativa dos movimentos sociais


Durante as catástrofes naturais cada vez mais freqüentes como: secas, terremotos e inundações, as mulheres são as mais afetadas pela crise climática, tendo que sustentar os lares em suas tarefas de cuidado: alimentando, buscando água, produzindo, reproduzindo a vida, tarefas essas que têm que ser cumpridas em condições muito mais difíceis e severas.


“As mudanças climáticas afetam de maneira direta as condições de vida e de trabalho das mulheres, particularmente por sua proximidade aos elementos de vida, como a agricultura, seu contato com a água e para poder cumprir com o ciclo de cuidado da vida que lhe foi transferido como responsabilidade prioritária”, disse Magdalena León, Coordenadora da REMTE Rede Mulheres Transformando a Economia do Equador, ao concluir o painel “Economia para a Vida” realizado no contexto da Conferência Mundial dos Povos sobre Mudanças Climáticas e os Direitos da Mãe Terra, em Cochabamba.


“Nosso papel na alimentação é fundamental, é um dos âmbitos mais afetados; e em todo o ciclo do plantio e de colheita, de processamento de alimentos e no espaço urbano na provisão de alimentos do dia a dia, são geradas situações de escassez e carência, tudo isso torna mais complexa a situação de trabalho das mulheres”, afirmou León.


Frente a essa realidade, o desafio mais importante é sustentar as reivindicações por justiça climática, ecológica a nível internacional; os responsáveis têm que assumir os danos causados mudando suas próprias modalidades de produção industrial poluentes, seus níveis e tipos de consumo contaminantes e depredadores que estão causando este impacto. “É preciso que haja um fluxo de recursos de compensação ainda que tardio e parcial, para reparar e restaurar o dano ocasionado e gerar condições para que possamos impulsionar projetos próprios de bem viver”, enfatizou a Coordenadora da REMTE - Equador.


A historia do protocolo de Kyoto, que entrou em vigor em fevereiro de 1995 e foi ratificado por 190 países, com exceção dos Estados Unidos e China - as potências mais contaminadoras - voltou a repetir-se na cúpula climática de Copenhague em dezembro de 2009, que acabou fracassando.


Frente a esse panorama, Magdalena León, considera que estamos em um momento onde o poder geopolítico dos países desenvolvidos é visto como fragilizado pela própria magnitude da crise planetária e pelos níveis de catástrofes que vão gerando consciência na humanidade.


A Conferência Mundial dos Povos sobre Mudanças Climáticas e Direitos da Mãe Terra tem como horizonte gerar poder geopolítico para os povos frente ao poder das potências. “A convocatória que fez o presidente Evo Morales é uma convocatória aos povos, é atuar como povos, fazer justiça como povos frente a instituições (países desenvolvidos) que estão corrompidas e incapazes de encontrar soluções para o mundo, frente a uma potência que depreda a vida. Agora a voz dos povos tem que alcançar o nível de tomada de decisões, o que até agora não foi conseguido”, finalizou León.


RECONHECER O TRABALHO DAS MULHERES PRODUTORAS E REPRODUTORAS.


“A construção de um novo modelo de desenvolvimento social que combata o capitalismo, deverá reconhecer as mulheres como produtoras, seu trabalho reprodutivo e o reconhecimento de sua liderança social, sem discriminação, para a condução da sociedade”, expressou Rosa Guillen, coordenadora da REMTE do Peru e militante da Marcha Mundial das Mulheres.


Guillen afirmou que: “temos que entender que o capitalismo afetou mais às mulheres porque negou o trabalho cotidiano de cuidar da vida, de cuidar da saúde e das famílias, de cuidar da alimentação, além disso, tornou invisível este trabalho e quer controlar o trabalho em favor da geração de riquezas.” O modelo capitalista gera desigualdade das mulheres frente aos homens no trabalho, “às mulheres são dados salários baixos, não se valoriza o trabalho e a contribuição das mulheres”, disse.


Um dos grandes desafios da luta das mulheres é conseguir que a sociedade reconheça que as mulheres têm aportes nas lutas comuns, e ter sua liderança respeitada. “Juntos homens e mulheres devemos construir uma transformação que gere igualdade, possibilidades de desenvolvimento sustentável, o Bem Viver para homens e mulheres como família e como sociedade.”



AS MULHERES INDÍGENAS MONOLÍNGÜES SÃO AS MAIS VULNERÁVEIS DO PLANETA



A vulnerabilidade afeta de maneira diferente às mulheres e aos homens nos riscos de desastres naturais, pelas desigualdades existentes na educação, falta de informação, alimentação, manifestou Rosa Ribeiro da Marcha Mundial das Mulheres do Peru.


“Enquanto os homens podem chegar a ter nível médio, as mulheres são analfabetas, enquanto eles têm acesso à informação, elas têm menos; enquanto os homens se alimentam melhor, as mulheres sempre ficam com o resto na panela, e sobretudo em tempos de seca, quando há muito pouca comida as mulheres comem muito pouco”, indicou Ribeiro.


Para que uma população seja afetada por um evento “hidro climático”, essa população precisa estar em um nível de vulnerabilidade, sem poder responder nem recuperar-se frente a esse evento. Por exemplo, viver junto a um rio, a torna vulnerável à inundações.


As mulheres mais vulneráveis são as indígenas monolíngües e ao não ter nenhum nível de participação em suas organizações mistas e nos espaços de desenvolvimento local, isso as expõe aos riscos de desastres. “Quando vem uma epidemia, essa enfermidade afeta as mulheres, aos meninos e meninas, essa é a nossa vulnerabilidade”, enfatizou.


Ribeiro argumentou que quando ocorrem os desastres os que migram primeiro são os homens e as mulheres ficam no controle das atividades produtivas e do cuidado dos filhos e filhas. Assim mesmo não contam com um registro que demonstre que são donas de suas moradias, o que é difícil para as mulheres comprovarem. Ainda mais quando elas não têm documento de identidade e não falam castelhano, diante dessas adversidades não podem reconstruir suas casas.


O evento mais catastrófico para as mulheres é a seca, pois não deixa “nada”, as obrigando a estratégias como o tráfico e a prostituição para conseguirem alguma renda e o alimento diário.


De forma geral, segundo Ribeiro, a sociedade torna invisível esses problemas pro sua complexidade. Um desafio das mulheres é fazer respeitar os direitos da Mãe Terra dando visibilidade aos problemas que afetam a vida das mulheres, assim se dará um passo importante para o BEM VIVER.


Harold Santos/REMTE /Minga informativa dos movimentos sociais

Nenhum comentário:

Postar um comentário